ⓘ Lista de monarcas de Portugal. Esta é uma lista de monarcas de Portugal desde o nascimento do conceito de Terra Portucalense como entidade semi-independente, pa ..

                                     

ⓘ Lista de monarcas de Portugal

Esta é uma lista de monarcas de Portugal desde o nascimento do conceito de Terra Portucalense como entidade semi-independente, passando pela independência de Portugal, que outorga definitivamente a Dom Afonso Henriques, então conde de Portucale, o título de primeiro rei de Portugal como Dom Afonso I. A lista segue até à Implantação da República Portuguesa, a 5 de outubro de 1910, que depôs o último rei português, Dom Manuel II.

                                     

1.1. Presúrias Portucalenses Condes presores do Porto

A reocupação e possível reconstrução ou fortificação de Portucale verificou-se após a presúria de Vímara Peres, em 868, vivendo, a partir de então, um próspero período da sua história: daí partiu toda a acção de reorganização, bem sucedida, em alguns casos de repovoamento, para além dos limites da antiga diocese nela sediada, quer ao norte do rio Ave, quer ao sul do rio Douro. Por esta altura, o território designava-se de Terra Portugalense ou Portugalia. Desta forma, o antigo burgo de Portucale deu o nome a um novo estado ibérico, Na Galiza, as terras portugalenses encontrava-se definidas como as situadas a sul do rio Lima, segundo documentação galega.

                                     

1.2. Presúrias Portucalenses Casa de Vímara Peres

Os condes da casa de Vímara Peres nem sempre se sucederam em linha reta, recorrendo por vezes à sucessão cognática. Eram uma família com bastante influência, tendo o seu apogeu no século X.

                                     

1.3. Presúrias Portucalenses Condes presores de Coimbra

Apenas dez anos decorridos sobre a reconquista definitiva de Portucale tivesse sido tomada a cidade de Coimbra e erigida em condado independente às mãos de Hermenegildo Guterres em 878; a sua posição de charneira entre os mundos cristão e muçulmano permitiu uma vivência de maior paz no Entre-Douro-e-Minho, se bem que a região era alvo de incursões normandas regulares. As campanhas do Almançor, em finais do século X, porém, fizeram recuar a linha de fronteira de novo até ao Douro e o condado de Coimbra é suprimido em 987.

                                     

1.4. Presúrias Portucalenses Casa de Hermenegildo Guterres

Na segunda metade do século XI, reconstituiu-se ao sul o condado de Coimbra, que incluía ainda as terras de Lamego, Viseu e Feira, sendo entregue ao conde ou alvazil Sesnando Davides, que conquistara definitivamente a cidade, a 27 de dezembro de 1064. Este condado viria mais tarde a ser incorporado no Condado Portucalense.

                                     

1.5. Presúrias Portucalenses Condes presores de Chaves

Além destas duas principais presúrias, há notícias de uma terceira, sediada em Chaves, criada em 872 e governada por um misterioso conde Odoário, que seria um capitão ou mesmo um irmão rebelde de Afonso III de Leão. Esta presúria seria o ponto central de uma expansão para sul que alcançaria Lamego.

  • Odoário 872.
                                     

2. Condado Portucalense

A ambição de Afonso VI de Leão e Castela reconstituiu a unidade dos Estados que vigorava no tempo do seu pai, Fernando I de Leão. Quando Garcia, o irmão de Afonso que fora deposto em 1071, faleceu na prisão em 1090, os territórios que haviam sido seus haviam já revertido para o genro de Afonso VI, Raimundo de Borgonha, que desde 1087 os governava como dote da esposa, Urraca de Leão e Castela. A esta altura, o vigor das investidas Almorávidas recomendava a distribuição dos poderes militares, para melhor reforçar o território: um comando na zona central, entregue ao próprio rei Afonso VI, outro, não oficial, exercido por El Cid em Valência, e o terceiro a ocidente, entregue a Raimundo; este último não conseguiu defender eficazmente a linha do Tejo - tendo já perdido Lisboa, que fora cedida aos Leoneses pelo rei taifa de Badajoz, juntamente com Santarém, que estava também prestes a cair nas mãos dos Almorávidas - e essa será uma das razões que atribuem alguns historiadores modernos à decisão tomada por Afonso VI de reforçar ainda mais a defesa militar ocidental, dividindo em duas a zona atribuída inicialmente a Raimundo, entregando a mais exposta a Henrique de Borgonha.



                                     

3.1. Reino de Portugal Interregno 1383–1385

Designação dada por toda a historiografia ao período que medeia a morte de D. Fernando e a ascensão ao trono do seu meio-irmão bastardo, o mestre de Avis D. João, e que compreende as regências de D. Leonor Teles e do próprio mestre de Avis.

                                     

3.2. Reino de Portugal Dinastia de Habsburgo ou Filipina

Os soberanos desta dinastia foram também reis de Espanha, Países Baixos, Nápoles, Sicília,Valência, Granada, duques da Borgonha, etc., títulos genericamente reunidos sob a designação de Reis de Espanha.

Durante este período de sessenta anos, os reis fizeram-se representar em Portugal por um vice-rei ou um corpo de governadores - veja a lista de vice-reis de Portugal.

À revolta de 1 de Dezembro de 1640 seguiu-se a Guerra da Aclamação, depois chamada, pela historiografia romântica do século XIX, como Guerra da Restauração.

                                     

3.3. Reino de Portugal Dinastia de Bragança

D. Luís Filipe de Bragança, legítimo sucessor de Dom Carlos I, aquando do regicídio sobreviveu a seu pai por vinte minutos, o que pela lei da ascensão automática ao trono prevista na Constituição, Luís Filipe teria sido um dos monarcas com um dos reinados mais curtos da história, que durou apenas vinte minutos.

* Todos estes reis foram também soberanos do reino do Algarve, a partir de D. Afonso III; antes dele, D. Sancho I usou esse título ou o alternativo rei de Silves entre 1189 e 1191.
                                     

4. Titulatura régia

Ao longo da história, o título oficial dos Reis de Portugal foi sendo alterado. Os Reis de Portugal tiveram os seguintes títulos:

Quanto ao estilo usado, nas formas de adereço ao monarca, também este evoluiu, da seguinte maneira:

                                     

5. Ver também

  • Linha de sucessão ao trono português
  • Lista de reis visigodos
  • Lista de reis suevos
  • Aclamação do Rei de Portugal
  • Lista de vice-reis de Portugal
  • Lista de consortes reais de Portugal
  • Lista de títulos e honrarias da Coroa Portuguesa
  • Lista de reis do Algarve
  • Lista de condes de Portucale
  • Condado de Coimbra
  • Árvore genealógica dos reis de Portugal
  • Tabela cronológica dos reinos da Península Ibérica
  • Lista de regentes de Portugal
  • Lista de califas
                                     

6. Bibliografia

  • Sánchez Candeira, Alfonso 1999. Rosa Montero Tejada, ed. Castilla y León en el siglo X, estudio del reinado de Fernando I. Madrid: Real Academia de la Historia. ISBN 978-84-8951241-2!CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de editores link
  • Fernandes, Paulo 2016. "Ritmos e realizações da expansão asturiano-leonesa no actual centro de Portugal, séculos VIII-X" PDF. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
  • Pinho, António Brandão de 2017. A Cruz da Ordem de Malta nos Brasões Autárquicos Portugueses. Lisboa: Chiado Editora. 426 páginas. Consultado em 28 de agosto de 2017
  • Ubieto Arteta, Antonio 1980. "Inmigración medieval de lusitanos al Altoaragón" PDF. Huesca: Instituto de Estudios Altoaragoneses. Argensola: Revista de Ciencias Sociales 90: 249-260. ISSN 0518-4088
  • Correia, Francisco Carvalho 2008. O Mosteiro de Santo Tirso, de 978 a 1588: A silhueta de uma entidade projectada no chao de uma história milenária. Santiago de Compostela: Tese de doutoramento. Facultade de Xeografía e História. Universidade de Santiago de Compostela. ISBN 978-8498-8703-81
  • Mattoso, José 1970b. As famílias condais portucalenses dos séculos X e XI. Porto: Instituto de Alta Cultura: Centro de Estudos Humanísticos, Faculdade de Letras da Universidade do Porto. OCLC 427415056
  • Rodríguez Fernández, Justiniano 1997. Reyes de León I. García I, Ordoño II, Fruela II y Alfonso IV. Burgos: La Olmeda. ISBN 84-920046-8-1
  • Torres Sevilla-Quiñones de León, Margarita Cecilia 1999. Linajes nobiliarios de León y Castilla: Siglos IX-XIII em espanhol. Salamanca: Junta de Castilla y León, Consejería de educación y cultura. ISBN 84-7846-781-5
  • Sáez, Emilio 1947. "Los ascendientes de San Rosendo, notas para el estudio de la monarquía astur-leonesa durante los siglos IX y X". CSIC, Instituto Jerónimo Zurita. Hispania em espanhol XXX. OCLC 2594708
  • Dicionário de História de Portugal. I. Lisboa: Iniciativas Editoriais. 1963-1971. pp. 157–59!CS1 manut: Formato data link
  • Castro, Ariel de 1996. Sancho e Teresa entre seus irmãos e na política de Afonso Henriques após o desastre de Badajoz. Tratamento da questão. Guimarães: Actas do 2. º Congresso Histórico de Guimarães
  • Mattoso, José 1982. Ricos-homens, infançoes e cavaleiros: a nobreza portuguesa nos séculos XI e XII. Lisboa: Gimarães & C.a. Editores. OCLC 10350247
  • Torre Gómez, Hipólito de la; Alted Vigil, Alicia 1998. España y Portugal, s. IX-XX: vivencias históricas. Madrid: Síntesis. ISBN 8477386161
  • Sánchez Candeira, Alfonso 1950. "La reina Velasquita de León y su descendencia". Hispania. Revista española de Historia 40. Madrid: C.S.I.C. pp. 449–505. ISSN 0018-2141
  • Mattoso, José 1981. A nobreza medieval portuguesa: a família e o poder. Lisboa: Editorial Estampa. OCLC 8242615
  • Fernandes, Isabel Alexandra 2006. Reis e Rainhas de Portugal 5ª ed. Lisboa: Texto Editores. ISBN 972-47-1792-5
  • Reilly, Bernard 1988. The Kingdom of León-Castilla under King Alfonso VI, 1065-1109. Princeton: Princeton University Press
  • Ceballos-Escalera, Alfonso 2000. Reyes de León: Ordoño III 951-956, Sancho I956-966, Ordoño IV 958-959, Ramiro III 966-985, Vermudo II 982-999. Burgos: La Olmeda. ISBN 84-89915-11-3
  • Metzeltin, Miguel 1998. Las lenguas románicas estándar:historia de su formación y de su uso. Uviéu: Academia de la Llingua Asturiana. 138 páginas
  • Botelho Barata Isaac, Francisco Maria 2014. "A memoria e legado de Sesnando Davides – Problemáticas e dúvidas acerca do Cônsul de Coimbra nos documentos 16, 28, 101 e 478 do Livro Preto da Sé de Coimbra". Medievalismo. Revista de la Sociedad Española de Estudios Medievales 24: 57-77. ISSN 1131-8155
  • Martínez Díez, Gonzalo 2004. El Condado de Castilla 711-1038. La historia frente la leyenda.: Valladolid: Junta de Castilla y León. ISBN 9788495379948
  • García Álvarez, Manuel Rubén 1960. "¿La Reina Velasquita, nieta de Muniadomna Díaz?" PDF. Revista de Guimarães 70. pp. 197–230
  • História de Portugal. III. Lisboa: Editorial Estampa. 1992-1994. pp. 561–63. ISBN 972-33-1084-8!CS1 manut: Formato data link
  • Mattoso, José 1970a. "A nobreza portucalense dos séculos IX a XI" PDF. Lisboa: Instituto de Alta Cultura, Centro de Estudos Historicos. Do tempo e da história. III: 35–50. OCLC 565153778. Consultado em 31 de dezembro de 2018. Arquivado do original PDF em 26 de janeiro de 2012


Free and no ads
no need to download or install

Pino - logical board game which is based on tactics and strategy. In general this is a remix of chess, checkers and corners. The game develops imagination, concentration, teaches how to solve tasks, plan their own actions and of course to think logically. It does not matter how much pieces you have, the main thing is how they are placement!

online intellectual game →